Mais um assessor de Temer é preso por corrupção

Além dos ex-governadores do DF, José Roberto Arruda (PR) e Agnelo Queiroz (PT), a Polícia Federal prendeu na manhã de hoje (23) o ex-vice governador Tadeu Filippelli (PMDB), também assessor especial do presidente Michel Temer. Todos eles acusados de terem obtido vantagens com o superfaturamento do estádio Mané Garrincha em Brasília.

Cresce com isso a lista dos assessores mais íntimos de Temer implicados com a polícia: Rodrigo Rochas Loures ( o deputado da mala de 500 mil), José Yunes e o ex-ministro Geddel Vieira Lima. Os ministros mais próximos ao presidente – Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria-Geral) – também respondem a inquérito no Supremo Tribunal Federal.

“Filippelli, preso pela PF hoje, dividia sala com Rocha Loures, a exemplo da que fica ao lado do gabinete presidencial, afirma o blog do colunista Lauro Jardim, no terceiro andar do Palácio do Planalto, hoje reservada para Marcela Temer” – Jornal O Globo.

O episódio amplia o isolamento de Temer e o pânico na base governista do golpe, que já não consegue prever quem será o próximo atingido pelas investigações.

A situação deste governo é insustentável.
E este congresso não tem moral para resolver a crise.