Publicações

Educação não é mercadoria

Publicado em 6 de março de 2010

Publicação do Mandato do deputado Federal Ivan Valente, reunindo textos de diversos especialistas sobre temas da conjuntura educacional brasileira.

Para baixar o arquivo completo em pdf clique aqui

  • A educação como direito de todos e todas – Ivan Valente
  • Educação infantil de qualidade: Direito das crianças e das famílias -Joseane Bufalo e Paulo Bufalo
  • A “reforma” do ensino médio ou a retórica da inovação – Eduardo Garcia C. do Amaral
  • A Conferência Nacional de Educação – e os desafos para o novo PNE

Luiz Araújo

  • O ensino a distância e a lógica mercantilista na educação Debate: César Minto, Ivan Valente, João Zanetic e Lisete Arelaro

Apresentação

As políticas neoliberais vêm, desde a década de 80, atacando a educação pública. Nessa lógica, esse direito passa a ser tratado como um segmento de mercado, diferenciado de acordo com o perfl econômico da “clientela”, e deve, portanto, ser gerido de forma empresarial e marcadamente competitiva.

Ainda que todos e todas se manifestem sobre a importância da educação pública, percebe-se claramente que o projeto, seguindo as orientações dos organismos  internacionais, é a redução da estrutura do Estado e a terceirização e privatização de todos os serviços ligados às redes de ensino, além do incentivo à criação e potencialização de mercados como o de apostilas, materiais pedagógicos, equipamentos escolares e até de cursos de formação continuada e aperfeiçoamento dos profssionais.

Para  alcançar  êxito  nesse  projeto,  os  governos  têm  utilizado  sistematicamente os meios de comunicação, via um discurso  ideológico que procura demonstrar que os problemas da educação nacional são devidos a uma suposta falta de competência dos profssionais e uma inefcácia na gestão escolar. Justifcam, assim, a ideia de que a solução é reorganizar as nossas escolas segundo um modelo empresarial, baseado no estabelecimento de parâmetros meramente quantitativos e comparativos,  jogando a responsabilidade de superação das difculdades para a comunidade escolar.

Nos últimos meses, essa política se intensifcou com a criação de mecanismos de premiação, que implicam também punição, que desrespeitam os direitos trabalhistas, criando diferenciações e abrindo caminho para o fm da estabilidade e até a terceirização da contratação dos profssionais. De outro lado, a autonomia pedagógica e a gestão democrática das escolas foram eliminadas pela imposição de sistemas apostila dos vinculados a provinhas e provões e pela adesão compulsória aos projetos padronizados movidos pela política de bônus.

Por fm, vemos também o ameaçador avanço de cursos de formação superior através do ensino à distância, inclusive para a formação inicial de professores, como mais uma forma de precarização e descaracterização da formação profssional. Tal política atende apenas a interesses mercantis e é apontada também como saída para a ampliação,
a baixo custo, de “vagas” em instituições públicas.
Esta publicação do nosso mandato conta com contribuições de companheiros e companheiras que têm signifcativo acúmulo nesses temas e reconhecida atuação  na luta em defesa da escola pública, gratuita e de qualidade para todos.
Num momento em que o Governo Federal, tardiamente, de forma burocrática e sem objetivos claros, deu início a uma Conferência Nacional de Educação (CONAE), a publicação procura também aprofundar e contribuir com este debate, já que as etapas municipais e estaduais da Conferência, por seu formato e dinâmica, têm se mostrado insufcientes e
fechadas, ainda que mobilizando um número signifcativo de pessoas.

Para  que  não  venhamos  a  presenciar  o  fm  do  direito  à  educação pública, é necessário  reorganizar os movimentos, debater de  forma consistente as políticas educacionais e resgatar nossas bandeiras históricas, acumulando  forças para o enfrentamento das políticas neoliberais. Com os textos a seguir, esperamos contribuir para essa luta, com a análise de alguns dos pontos mais  importantes da atual conjuntura educacional brasileira.

Boa leitura!

Mandato Popular e Socialista
Ivan Valente – Deputado Federal PSOL/SP
Novembro / 2009

 

Categoria: Publicações

5 respostas para “Educação não é mercadoria

  1. Alexsandra Rodrigues de Oliveira

    Boa Noite. Gostaria de saber como adquirir o DVD sobre Educacao Nao e Mercadoria: ou DVD Ensino a distancia e a logica mercantilistana educacao.
    Gostei da presenca do do Deputado Ivan Valente na manifestacao dos professores na republica .

    Reply

    1. Post Author Ibiapino

      Olá professora.

      O mandato do Deputado apoia totalmente a justa luta dos professores e a defesa da escola pública.

      Por favor nos envie um e-mail com seu endereço (ou mande uma msg pelo formulário de contato aqui do site) que lhe enviaremos o DVD.

      Saudações,

      José Ibiapino
      Assessoria do Mandato

      Reply

  2. Fontele de Lima Júnior

    À Assessoria do Mandato

    Sou mestrando em educação, pela Universidade de Brasília, e gostaria de saber como conseguir uma versão, impressa ou eletrônica, do livro “Educação não é mercadoria”.

    Atenciosamente,

    Reply

  3. Ricardo Pignatti

    Olá, amigos, eu gostaria de receber, via Correio, a publicação impressa “Educação não é Mercadoria”. Tenho meu cadastro aí, mas venho recebendo irregularmente publicações do mandato. Grato. Segue endereço:
    RICARDO PIGNATTI
    Rua da Família, 06
    13910-000
    Monte Alegre do Sul – SP

    Reply

  4. Ricardo Pignatti

    Olá, amigos, eu gostaria de receber, via Correio, a publicação (versão impressa) “Educação não é Mercadoria”. Tenho meu cadastro aí, mas venho recebendo irregularmente as publicações do mandato. Grato. Segue endereço:
    RICARDO PIGNATTI
    Rua da Família, 06
    13910-000
    Monte Alegre do Sul – SP

    Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

 limite de caracteres

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>