Empresa de amigo de Temer fechou contratos milionários por obras não realizadas

Só para o Tribunal de Justiça de São Paulo foram R$ 151 milhões ganhos em um projeto não executado. Outro contrato, também por serviços não realizados, foi realizado em Angra 3, no valor de R$ 165 milhões.

O coronel Lima entrou na mira da Lava Jato após delação de Ricardo Saud, um dos diretores da JBS, que afirmou à Procuradoria-Geral da República (PGR) que, em 2014, Temer pediu R$ 1 milhão em propina, entregues ao coronel.

Esta investigação deve fazer parte da segunda denúncia contra Temer, em fase final de elaboração pela PGR.

Leia mais