Expansão dos transgênicos, mais riscos para saúde pública

transgenicos_001Matéria publicada pelo jornal Valor Econômico de ontem, 29/1, aponta que o cultivo de organismos geneticamente modificados voltou a bater recorde em 2014. O plantio de variedades transgênicas teve uma expansão de 3,5%, chegando a 181 milhões de hectares no mundo. O Brasil segue como a segunda maior área, atrás apenas dos Estados Unidos.

No Brasil são 42,2 milhões de hectares dedicados aos transgênicos, a maior parte com o plantio de soja. Esses números e a franca expansão da área plantada no mundo e no Brasil podem levar à banalização sobre o tema. No entanto, várias questões precisam ser melhor debatidas. O Greenpeace alerta que a introdução de transgênicos na natureza expõe nossa biodiversidade a sérios riscos, como a perda ou alteração do patrimônio genético de nossas plantas e sementes e o aumento dramático no uso de agrotóxicos. Além disso, ela torna a agricultura e os agricultores reféns de poucas empresas que detêm a tecnologia, e põe em risco a saúde de agricultores e consumidores.

Nosso mandato tem acompanhado o tema desde os primeiros debates a respeito da liberação do plantio de transgênicos no Brasil. Em 2013 apresentamos o Projeto de Lei 6432 que proíbe no território nacional a venda, o cultivo e a importação de sementes de plantas alimentícias transgênicas com tolerância a herbicidas, essas ainda mais tóxicas.

Não podemos aceitar as imposições das multinacionais do setor e do agronegócio. É possível e necessário um outro modelo baseado na biodiversidade agrícola e na agroecologia, que não se utilize de produtos tóxicos.

Assessoria Ivan Valente PSOL-SP

Leia mais: Cientistas divulgam carta aberta contra uso de transgênicos no mundo
http://jornalggn.com.br/…/cientistas-divulgam-carta-aberta-…

1 Response

  1. Raiane disse:

    Interesante artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>