Golpismo em crise com as delações de Funaro

A divulgação dos vídeos da delação de Lúcio Funaro, operador de esquemas corruptos do PMDB, pelo site da Câmara dos Deputados voltou a estremecer as relações no consórcio golpista,

Funaro, fala, por exemplo, sobre os elos entre Temer e Cunha. O escritório de Funaro era tão próximo dos de Temer e seu amigo, José Yunes, que facilitava o trajeto das malas.

Ele também disse, na delação, que Cunha era uma espécie de “banco da corrupção” para um número enorme de deputados e empresários. Temer acompanhou o esquema e deve ser afastado e processado com urgência.

Não será nada fácil para Temer e sua cúpula acomodar interesses escusos, garantir a defesa de todos os acusados – a lista é imensa! – e ainda governar (ou melhor, desgovernar) o Brasil.

No dia 25 será votado em plenário o parecer do relator da denúncia contra Temer. Ninguém que mantém a razão acredita na inocência de Michel Temer. Sua absolvição ou não será medida pelo grau pragmatismo dos deputados.

Assista aos vídeos aqui