NÚCLEO DURO DE BANDIDOS

É simplesmente impressionante que todo o círculo de confiança de Michel Temer cometeu ou é acusado de crimes graves. Eduardo Cunha, Henrique Eduardo Alves e agora Geddel Vieira Lima estão presos. O operador Rodrigo Rocha Loures, maleiro de Temer, mesmo depois de flagrado recebendo 500 mil reais, misteriosamente, foi solto na semana passada.

Os dois nomes de peso que ainda restam, Eliseu Padilha e Moreira Franco, estão no olho da Lava Jato. Se perderem o foro privilegiado, a chance de serem presos é altíssima.

A contar pelos que cercam Temer, seu envolvimento com crimes se faz evidente. Nesse contexto, a denúncia que corre contra o golpista, movida pela PGR, encontrará na Câmara um ambiente mais hostil e em crise.

Temer balança no cargo. A possibilidade de terminar o mandato é baixa e, caso aconteça, seria um dos maiores vexames na história nacional.