O CAPITALISMO NÃO OFERECE SAÍDA AOS POBRES

A desigualdade social cresceu no país e no mundo. No ano passado, de acordo com o relatório da Oxfam, de toda a riqueza produzida no planeta, 82% ficou concentrada nas mãos dos 1% mais ricos.

No Brasil, a quantidade de bilionários saltou de 31 para 43, em relação a 2016, alcançando um patrimônio de 549 bilhões de reais – aumento de 13%.. Enquanto isso, os 50% mais pobres tiveram sua participação na riqueza reduzida de 2,7 para 2%.

O capitalismo se mostra um beco sem saída para os mais pobres. O trabalho, o qual deveria ser o centro da valorização, é precarizado insistentemente em nome do lucro fácil. Vide a reforma trabalhista imposta pelo governo golpista de Michel Temer.

A questão de gênero é alarmante: de acordo com o relatório em questão, o trabalho não remunerado, sobretudo doméstico, das mulheres no mundo equivale a dez trilhões de dólares.

Aos trabalhadores, não resta outra alternativa a não ser resistir para garantir o próprio e o futuro das próximas gerações. A depender do capitalismo, o cenário é de aprofundamento da miséria.