US$ 40 milhões de propina no escritório de Temer

Outro executivo da Odebrecht, Rogério Santos Araújo, confirmou que Michel Temer comandou reunião em seu escritório político, na qual pediu dinheiro à empreiteira em troca de favorecimentos em um investimento milionário da Petrobras. Antes dele, Márcio Faria, da mesma empresa, havia feito a denúncia em delação.

Na mesma reunião, estava o hoje preso Eduardo Cunha. Vale lembrar que Cunha enviou perguntas ao Temer como parte de sua estratégia de defesa. Dentre elas, havia exatamente um questionamento se o atual presidente se lembrava do encontro agora denunciado pela Odebrecht.

Fica a cada momento mais explícito o envolvimento visceral de Temer nos esquemas de corrupção. O PSOL entrou com um pedido de investigação no STF. Se, pela legislação, o presidente não pode ser responsabilizado por atos cometidos anteriormente ao cargo, no mínimo ele deve ser investigado para que a sociedade tenha plenos conhecimentos sobre quem dirige o país.

 

Leia mais na Folha